O congelamento de óvulos é uma possibilidade que nem passa pela mente de muitas mulheres na casa dos 20, 30 anos. Um dos motivos para isso é que sabemos que as técnicas de reprodução assistida na medicina hoje nos ajudam a deixar a maternidade para mais tarde – ainda que não garantam totalmente as chances de uma gestação.

A verdade é que o papel das mulheres se transformou muito na sociedade ao longo dos anos. Na atualidade, elas desejam se arriscar, apostar e aproveitar muitas outras questões da vida.

Ou seja, com as amplas possibilidades de crescimento pessoal e profissional, muitas das jovens não fazem planos para engravidar. Por outro lado, quando algumas sentem o desejo de ter um filho após os 35, 40 anos, elas acabam se deparando com a realidade do relógio biológico, que pode interferir nessa vontade.

É nesse contexto que devemos destacar a existência do congelamento de óvulos como alternativa muito favorável às mulheres. Ao longo do texto, iremos explicar melhor como isso funciona.

Gestação tardia cresce no Brasil

Antes de falar sobre congelamento de gametas, é importante mostrar como a gestação tardia é uma realidade no país. Os números no Brasil mostram que cada vez mais mulheres optam por isso.

Apenas para se ter uma ideia, do fim dos anos 1990 até 2018, houve um aumento de quase 90% do número de mulheres que engravidaram após os 40 anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em outras palavras, estamos falando de uma grande mudança de hábito, ou mesmo de tradição, entre as brasileiras, que hoje deixam para engravidar mais tarde.

Por outro lado, ao postergar a maternidade, acabamos ignorando que dependemos de diversos fatores que possibilitem uma gravidez, como a necessidade de termos gametas saudáveis e em número suficiente. Isto é, não apenas o corpo da mulher precisa estar apto para a gestação, mas suas células reprodutivas.

Por isso, a criopreservação é uma técnica que pode favorecer as mulheres jovens que desejam adiar o período de iniciar a maternidade. Ou seja, uma moça em boa saúde possivelmente possui uma reserva ovariana suficiente para uma gestação futura.

Em outras palavras, o que queremos ressaltar é que devemos dedicar o mínimo de planejamento para os anos que virão, pois os óvulos são impactados pelo envelhecimento da mulher.

Congelamento de óvulos em mulheres jovens

Vamos fazer uma analogia simples, mas que se encaixa no caso da criopreservação. Já que estamos falando de organismos vivos, faremos uma comparação bem simples com as frutas, como o morango.

Podemos congelá-lo para consumirmos depois e em ótimas condições, certo?

Para favorecermos a preservação, a integridade do morango, o mais indicado é que selecionemos os melhores e mais saudáveis e os coloquemos no congelador o quanto antes, preferencialmente logo após a colheita.

Ou seja, estamos falando de uma fruta jovem e madura que será preservada para seu aproveitamento na posteridade.

Agora, apesar de ser infinitamente mais complexo que um morango, o organismo humano tem suas semelhanças com a fruta nesse exemplo de criopreservação.

Como o óvulo fica congelado

Em vez de ficar em um congelador simples como seria no caso do morango, o óvulo congelado é armazenado em nitrogênio líquido e submetido a uma temperatura que vai de 37ºC a -196ºC.

As técnicas de criopreservação atuais são capazes de manter os gametas congelados por tempo indeterminado. Isso é muito favorável às mulheres que fazem esse procedimento logo cedo, concorda?

Congelar para poder investir na carreira e na vida

Existem vários motivos para uma mulher jovem optar pelo congelamento de óvulos. Além de questões de doença – como câncer de mama ou de útero, entre outros –, há também pontos que são fundamentais para elas hoje: liberdade e autonomia.

A criopreservação de gametas saudáveis permite a busca por esses desejos. Em outras palavras, sabendo que tem óvulos jovens para planejar a maternidade no futuro, a mulher é capaz de investir e focar em diferentes áreas da vida.

Todo sonho é válido

De toda forma, devemos sempre reforçar que cada paciente tem suas próprias prioridades, claro. Algumas pessoas sonham com uma família completa logo cedo e, por isso, nem cogitam congelar óvulos, não é mesmo?

Já outras mulheres desejam colocar em primeiro lugar as conquistas profissionais ou, quem sabe, viajar o mundo, por exemplo. Enfim, há diversas possibilidades, cada uma conforme as vontades femininas.

Isto é, todo sonho é legítimo. É apenas importante se planejar para os desejos futuros, também. Como a medicina reconhece isso, as técnicas de reprodução assistida permitem essa autonomia feminina por meio do congelamento de óvulos.

Congelamento em caso de doenças graves

Como mencionado brevemente acima, um ponto importante de reforçar é que o congelamento de óvulos também é um recurso importante nos casos de doenças, como o câncer. Isto é, uma paciente que enfrenta uma enfermidade pode contar com a técnica de criopreservação.

Então, após o tratamento da doença, a mulher poderá recorrer ao especialista em reprodução humana para utilizar os óvulos congelados e tentar engravidar.

Como a fertilidade pode ser afetada em casos como de algumas mulheres submetidas à quimioterapia, o congelamento de óvulos deverá ser feito antes do início das terapias. Mas, para que isso seja possível, a equipe médica que assiste a paciente precisa informá-la de que existe essa opção de congelar.

Além disso, quando ela é bem orientada sobre suas chances de superação do câncer, o sonho de uma gravidez no futuro serve também como motivação para enfrentar a enfermidade.

Sempre conte com apoio médico

Quando estiver pronta para a gravidez, a mulher irá conversar com o médico, que irá orientá-la sobre como será o procedimento para a utilização de óvulos congelados. Se quiser ler mais sobre isso, sugiro que confira o artigo sobre como funciona a Fertilização in Vitro (FIV).

Porém, é preciso reforçar: o congelamento de óvulos é uma opção para quem pretende ou precisa adiar a gravidez, certo? Contudo, como falamos logo no início do texto, a técnica não oferece garantia total de que uma gravidez será possível usando os óvulos congelados.

Questões de saúde da paciente irão influenciar no sucesso dessa gestação, inclusive nas chances de nidação, por exemplo. Caso ela não consiga engravidar, caberá ao médico orientá-la sobre as alternativas viáveis para sua situação.

Qual é a sua dúvida sobre congelamento de óvulos? Será um prazer receber comentários neste formulário.

Para agendar sua consulta, clique aqui.